8 de jun de 2014

PAULO RÓNAI - A Tradução Vivida




– PEDRO LUSO DE CARVALHO

Vez por outra pretendo fazer abordagem sobre o tema tradução. Começo por Paulo Rónai, cidadão húngaro que, em 1941, escolheu o Brasil para viver (naturalizou-se em 1945). João Guimarães Rosa ao fazer o prefácio de Antologia do Conto Húngaro, escreveu: "Seu autor – o brasileiro Paulo Ronai – é húngaro, de nascimento e de primeira nação".
Escreveram sobre o Paulo Rónai brasileiro, na capa de Como Aprendi o Português e Outras Aventuras, outros três escritores brasileiros: Magalhães Júnior, Joel Pontes e Wilson Martins; este, disse sobre Rónai: "O senhor Paulo Rónai, intelectual húngaro, escolheu, simultaneamente, a liberdade e o Brasil. Eu, de minha parte, se me fosse dado escolher um compatriota, teria escolhi o Sr. Paulo Rónai". Também o poeta Carlos Drummond de Andrade manifestou-se sobre esse intelectual, responsável pela tradução de importantes obras, sobre as quais discorreremos em outra oportunidade:
O filólogo Aurélio Buarque de Hollanda Ferreira (autor do Dicionário Aurélio) escreveu a apresentação da obra de Paulo Rónai, A Tradução Vivida (além das citações supra), depois de ter-se referido a tradução dos 17 volumes de A Comédia Humana, de Balzac e de ter mencionado que cabe a ele a denominação de homem dos sete instrumentos, professor e tradutor em mais de dez línguas: "Nas salas de aula ou de conferência, pelos jornais e revistas, no trato íntimo, exerce Paulo Rónai um magistério sereno, sem ênfase. Tem a arte de ser profundo parecendo apenas deslizar sobre os assuntos. É sutil sem afetação; eu o diria distraidamente arguto. Um clarificador, por excelência; um iluminador".
O português, como o aprendi,
Paulo Rónai conta, fagueiro,
Outra façanha dele eu vi:
Aprendeu a ser brasileiro.
Em A Tradução Vivida, obra dedicada aos escritores Dinah Silveira de Queiroz e a Dário Castro Alves, no título As Armadilhas da Tradução, escreve Paulo Rónai:
O trabalho do tradutor passa por um caminho ladeado de armadilhas. Até os melhores profissionais guardam a lembrança de um tremendo contrassenso que cometeram. São diversas as causas de tais erros. Apesar de sua diversidade, a maioria provém, em última análise, da nossa fé na existência autônoma das palavras e na convicção inconsciente de que a cada palavra de uma língua necessariamente corresponde outra noutra língua qualquer. Confirma essa ilusão o recurso constante aos dicionários, onde, por motivo de comodidade prática, os vocábulos se acham em ordem alfabética, soltos de contexto e seguidos de definição.
Como dissemos, a palavra existe apenas dentro da frase, e o seu sentido depende dos demais elementos que entram na composição desta. Ainda que dois vocábulos de duas línguas sejam definidos de maneira igual, os enunciados de que eles podem fazer parte não são os mesmos, nem as conotações que invocam serão iguais. Isso é verdade mesmo no caso de palavras da mesma origem e de forma suficientemente próxima para revelar o parentesco à primeira vista. Assim o nosso vocábulo "cópia" existe em francês, italiano e inglês sob forma quase igual, no sentido de "imitação", "reprodução". Mas copie em francês designa, além disto, trabalho escrito de aluno, assim como manuscrito entregue à tipografia de um jornal, acepções que faltam a copia em italiano e a copy em inglês; em compensação estas duas palavras possuem o sentido de exemplar, que falta em francês e português.
Ainda nesse título, As Armadilhas da Tradução, Paulo Rónai segue enumerando outras tantas armadilhas e dando a sua orientação de como evitá-las. No final desse capítulo faz uma precisa abordagem das metáforas na tradução:
Conhecer os sentidos das metáforas que se tornaram locuções figuradas nem sempre é suficiente, pois podem surgir armadilhas, como num verso de Victor Hugo, Lê poème du Jardin des Plantes, onde aparece a expressão idiomática avaler des couleuvres, que, em português, equivale mais ou menos a "comer da banda podre". Só que nos dois versos: I - l blesse le bom sens, il choque la raison/II l notre raille: il nous fait avaler la couleuvre, o poeta só usa um dos elementos do clichê (avaler) em sentido figurado, enquanto o outro (couleuvre) aparece em sentido concreto. Assim, no trecho, a locução terá de ser traduzida por "aceitar a cobra". Em todo o caso, o problema das metáforas lembra-nos mais uma vez que não estamos traduzindo palavras, mas sentenças. Noutros termos: o bom tradutor, depois de se inteirar do conteúdo de um enunciado, tenta esquecer as palavras em que ele está expresso, para depois procurar, em sua língua, as palavras exatas em que semelhante ideia seria naturalmente vazada.
Encerro transcrevendo o que disse Paulo Rónai em outra obra sua, Escola de Tradutores: Assim, nosso ofício de tradutores é um comércio íntimo e constante com a vida, como diz Valery Larbaud; não é, de forma alguma, um jogo de paciência com palavras mortas e fichadas para sempre.


REFERÊNCIAS:
RÓNAI, Paulo. A Tradução Vivida. 3 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981, p. 34-35, 57-58.
RÓNAI, Paulo. Escola de Tradutores. 6 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1987, p. 19.

*  *  *