30 de jun. de 2014

[Crônica] LUIS FERNANDO VERISSIMO – A comadre




 – PEDRO LUSO DE CARVALHO

LUIS FERNANDO VERÍSSIMO, um dos escritores brasileiros mais importantes, nasceu em Porto Alegre, em 1936. No ano de 1969 o jornal Zero Hora, começa a publicar as suas crônicas. Nesse mesmo ano começou a trabalhar para a MPM Propaganda, como redator de publicidade. Mais tarde suas crônicas são publicadas nos jornais O Estado de São Paulo, Jornal do Brasil e Zero Hora.
Publicou algumas dezenas de livros: O popular (J.Olympio, 1973), Ed Mort e outras histórias (L&PM, 1979), O analista de Bagé (L&PM, 1980), A velhinha de Taubaté (L&PM, 1983), Aventuras da Família Brasil (quadrinhos, L&PM, 1985), O marido do doutor Pompeu  (L&PM, 1987), O suicida e o computador (L&PM, 1992), Comédias da vida privada (L&PM, 1994),  Américas (Artes e Ofícios, 1994), entre outros.
L. F. Veríssimo foi homenageado com o Prêmio Scopus pela Sociedade Brasileira de Amigos da Universidade Hebraica de Jerusalém, em novembro de 2011, em evento no Buffet França, em São Paulo. A honraria foi entregue ao escritor por Arnaldo Niskier, membro da Academia Brasileira de Letras.
Segue o conto A comadre, de Luis Fernando Veríssimo (In O marido do doutor Pompeu/Luis Fernando Verissimo. 2ª ed. Porto Alegre: L&PM, 1987, p. 119-120):

A COMADRE
– LUIS FERNANDO VERÍSSIMO


O veraneio terminou mal. A ideia dos dois casais amigos, amigos de muitos anos, de alugarem uma casa juntos deu errado. Tudo por culpa do comentário que o Itaborá fez ao ver Mirna, a comadre Mirna, de biquíni fio dental pela primeira vez. Nem tinha sido um comentário. Mas um som indefinido.
– Omnahnmon!
Aquilo pegara mal. A própria Mirna sorria sem jeito. O compadre Adélio fechara a cara, mas decidira deixar passar. Afinal era o primeiro dia dos quatro na praia, criar um caso naquela hora estragaria tudo. Eram amigos demais para que um simples deslize – o som fora involuntário, isto era claro – acabasse com tudo. E, ainda por cima, a casa já estava paga por um mês.
Naquela noite, no quarto, a Isamar pediu satisfação ao marido.
– Pô, Itaborá. Qual é?
– Não pude controlar, puxa.
– Na cara do Adélio!
– Eu sei. Foi chato. Mas saiu. Que eu posso fazer?
– Nós conhecemos a Mirna e o Adélio há o quê? Quase dez anos.
– Mas eu nunca tinha visto a bunda da Mirna.
– Ora, Itá!
– Não entende? A gente pode conviver com uma pessoa dez, vinte anos, e ainda se surpreender com ela. A bunda de Mirna me surpreendeu, é isso. Me pegou desprevenido.
– Vai dizer que você nunca nem imaginou como era?
– Nunca. Juro. Nem me passou pela cabeça. E de repente estava ali, toda. Toda ali.
– Pois vê se te controla.
Pelo resto do veraneio o Itaborá fez questão de nem olhar para o fio dental da comadre. Quando os quatro iam para a praia, se apressava para caminhar na frente. Se por acaso as nádegas da comadre passassem pelo seu campo de visão, olhava para o alto, tapava o rosto com o jornal, assobiava.
Um dia, o Itaborá e o Adélio sentados no quintal, a Mirna recém-servira a caipirinha, de biquíni, e se dirigia de volta para casa, e o Itaborá suspirou.
– O que foi – perguntou o Adélio, agressivo.
– Essa política econômica – disse o Itaborá. – Sei não. Não levo fé.
– Ah – disse o Adélio.
Até o fim do veraneio ficou aquela coisa chata entre os quatro. O Itaborá não podia tossir que todos o olhavam, desconfiados.



   *  *  *

2 comentários:

  1. Anônimo20:37

    I'm really loving the theme/design of your
    weblog. Do you ever run into any browser compatibility issues?
    A small number of my blog visitors have complained about my blog
    not operating correctly in Explorer but looks great in Firefox.

    Do you have any tips to help fix this issue?

    Also visit my site Hunter

    ResponderExcluir
  2. Anônimo05:20

    Hi there! I'm at work browsing your blog from my new
    apple iphone! Just wanted to say I love reading your blog and look forward to all your posts!
    Carry on the excellent work!

    Also visit my page boom beach cheats on ipad

    ResponderExcluir


Obrigado a todos os amigos leitores.
Pedro