22 de jan. de 2013

EZRA POUND & The Paris Review


                  [PEDRO LUSO DE CARVALHO]

        Este é o meu segundo texto sobre Ezra Pound, poeta, músico e crítico literário; no primeiro, fiz um comentário sobre o seu livro A Arte da Poesia, editado pela Cultrix em 1976. Neste artigo, abordarei alguns aspectos da vida do poeta e farei a transcrição de um trecho da entrevista publicada inicialmente pela The Paris Review, em 1957, e depois editada em forma de livro (Writers at Work), em 1958 e 1963, pela The Vikink Press, Inc., Nova Iorque.

        Alguma coisa a ser dita sobre a vida de Ezra Pound: nasceu em 30 de outubro de 1885, em Hailey (Idaho), EUA. Foi educado na Universidade de Pensilvânia e no Hamilton College. O seu primeiro livro foi publicado em 1908 na cidade de Veneza, Itália. Dono de uma vasta obra, publicou cerca de 90 volumes de poesia, crítica e traduções de importantes poetas.

        Ezra Pound viveu muitos anos na Europa, primeiramente em Londres, na década de 1920 em Paris, depois na Itália, onde teria aderido ao fascismo durante a Segunda Guerra Mundial, adesão que foi por ele negada. O fato é que proferia palestra pelo rádio denunciando a participação dos Aliados contra os países que integravam o Eixo (Alemanha, Itália e Japão). Preso pelos norte-americanos em 1945, foi levado para Pisa onde ficava o seu Centro de Adestramento Militar. Aí teve um tratamento extremamente rigoroso: foi jogado numa jaula improvisada com tiras de metal, onde dormia sob uma lâmpada continuamente acesa, e sobre cobertores colocados sobre o concreto.

        Em decorrência desse tratamento cruel, na terceira semana subseqüente à sua prisão Pound sofreu um colapso nervoso, que o deixou com amnésia parcial, além de outra seqüela, a claustrofobia. Mesmo assim foi mantido na prisão por seis meses, sem qualquer contato com outras pessoas, o que agravou mais ainda sua saúde, já debilitada pelos freqüentes ataques de histeria e de terror. Daí, foi levado para Washington DC, onde ficou internado durante 13 anos, no Hospital Saint Elizabeth, por ter sido considerado portador de demência. Em 1958, os Estados Unidos retirou a acusação de traição. Nesse ano, retornou para a Itália, onde passaria a viver com sua filha.

        Na poesia, Erza Pound destacou-se com Os Cantos, de inspiração erudita e repleta de símbolos. Essa obra foi iniciada em 1917, e a sua última parte, intitulada Thrones, somente foi publicada em 1959; trabalhou em sua obra até o ano de sua morte. Pound publicou também Personae, livro com seus poemas mais curtos, em 1926, que foi reeditado em 1950, com a inclusão de outros poemas; e, em 1962, foi publicada uma tradução de Love Poems of Ancient Egypt; em 1963, a antologia From Confucius to Cumings, editada por Marcella Spann.

        A influência de Ezra Pound e do seu projeto de renovação da linguagem poética fez-se sentir em Joyce, Yeats, William Carlos Williams e particularmente em T. S. Eliot, que submeteu o manuscrito da sua obra The Waste Land à apreciação de Pound antes de o publicar em 1922. As correções feitas por Pound mereceram-lhe a dedicatória de Eliot: "For Ezra Pound, il miglior fabbro" (A Ezra Pound, o melhor artífice), como consta na Wikipédia. Segue, pois, um trecho da entrevista que Erza Pound concedeu a Donald Hall, da The Paris Review:

        “Entrevistador – Um ponto de ligação entre a literatura e a política, que o senhor estabelece em seus escritos, interessa-me particularmente. Em A. B. C. of Reading diz o senhor que os bons escritores são aqueles que mantém eficiente a linguagem, e que essa é a sua função. O senhor desassocia essa função do partido político. Pode um homem pertencente ao partido errado usar eficientemente a linguagem?

        POUND – Pode. Aí é que está toda a complicação! Uma arma é igualmente boa, não importa quem a usa.

        Entrevistador – Pode um instrumento ordeiro ser usado para criar desordem? Suponhamos que uma boa linguagem seja usada para fomentar um mau governo? Acaso um mau governo não torna má a linguagem?

        POUND – Sim, mas a má linguagem está destinada a fazer, ademais, um mau governo, enquanto a boa linguagem não está destinada a fazer um mau governo. Isso, também, é puro Confúcio: se as ordens não forem claras, não podem ser executadas. As leis de Lloyd George eram tal mixórdia, que os advogados jamais sabiam o que significavam. E Telleyrand proclamou que os políticos mudavam o sentido das palavras entre uma e outra conferência. Os meios de comunicação se rompem, e é disso que estamos sofrendo hoje em dia. Estamos suportando o esforço de se trabalhar sobre o subconsciente sem que apelemos para a razão. Repetem, como música, algumas vezes, uma denominação qualquer, e, depois, a música sem a denominação, para que a música no-la dê. Penso no assalto. Sofremos do uso da linguagem a ocultar o pensamento e a impedir todas as respostas diretas e vitais. Há o uso da linguagem dialética, de propaganda, destinada simplesmente a ocultar e a iludir”.

        Erza Pound de volta a Itália viveu a maior parte do tempo no Tirol, com sua filha, genro e netos. Por ocasião dessa entrevista, realizada em Roma, Pound encontrava-se no apartamento de Ugo Dadone, seu velho amigo. Sobre esse momento, diz o entrevistador: “Durante as horas da entrevista, que durou três dias, ele falou cansadamente, e as perguntas, às vezes, o deixavam exausto. Pela manhã, quando o entrevistador voltava, Mr. Pound mostrava-se ansioso por rever as falhas da véspera”.

         Erza Weston Loomis Pound faleceu em Veneza, no dia 1º de novembro de 1972, com 86 anos de idade.



REFERÊNCIA:
LAROUSSE, Petit. Dictionnaire Encyclopédique Pour Tours. 24ª tirage. Paris: L. Larousse, 1966.
WIKIPÉDIA. Ezra Pound. Wikipédia, disponível em http//pt.wikipedia.org. Acesso em: 31/07/2007.
POUND, Ezra. A Arte da poesia. Trad. Lima Dantas e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 1976.
COWLEY, Malcolm. Escritores em ação. Trad. Brenno Silveira. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.




                                                                    *  *  *

4 comentários:

  1. Um autor extremamente polêmico, mas de grande inteligência como nesta passagem da entrevista: "Uma arma é igualmente boa, não importa quem a usa." que já insinua os conflitos éticos de Ezra Pound.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pound era, sem dúvida, muito inteligente. Foi também um grande poeta, embora polêmico, como você bem observou. Quanto aos conflitos éticos, que você faz referência, deveu-se, em parte, ao seu suposto envolvimento com o Fascismo.

      Obrigado pela visita, caro Kovacs.

      Um abraço,
      Pedro.

      Excluir
  2. Passando pra desejar um final de semana maravilhoso pra você

    Beijos
    Ani

    http://cristalssp.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Ani.

      Também desejo a você um ótimo fim de semana.

      Abraços,
      Pedro.

      Excluir


Obrigado a todos os amigos leitores.
Pedro