5 de ago de 2012

[Conto] LUIS FERNANDO VERISSIMO – Mal-entendido



                            por Pedro Luso de Carvalho
               
         Luis Fernando Veríssimo, um dos escritores brasileiros mais importantes, nasceu em Porto Alegre, em 1936. No ano de 1969 o jornal Zero Hora começa a publicar as suas crônicas. Nesse mesmo ano começou a trabalhar para a MPM Propaganda, como redator de publicidade. Mais tarde, suas crônicas são publicadas nos jornais O Estado de São Paulo Jornal do Brasil.
        
       Publicou algumas dezenas de livros, dentre eles mencionamos os que obtiveram maior sucesso, dentre os menos atuais: O Popular (J.Olympio, 1973), Ed Mort e Outras Histórias (L&PM, 1979), O Analista de Bagé (L&PM, 1980) A Velhinha de Taubaté (L&PM, 1983), Aventuras da Família Brasil (quadrinhos, L&PM, 1985), O Suicida e o Computador (L&PM, 1992), Comédias da Vida Privada (L&PM, 1994),  Américas (Artes e Ofícios, 1994).
        
        Segue o conto de Luis Fernando Veríssimo intitulado Mal-entendido (In Contos de Bolso. Alexandre Guardiola. Porto Alegre: Casa Verde, 2005, p.11):

                                                    [ESPAÇO DO CONTO]
                                                      
                                                      MAL-ENTENDIDO
                                                                L. F. Verissimo

        Escuta, eu sei que estou me arriscando vindo aqui, me disseram que você queria me matar, mas escuta. Foi um mal-entendido. Quando eu falei em cagalhão, eu não me referia a... Escuta! Deixa eu falar? Era no bom sentido, eu... Espera! Ó cara. Nós não fomos coroinhas juntos? Então você acha que eu ia dizer uma coisa dessas de você, só por causa de um... Escuta, pô. Eu seria a última pessoa no mundo a... Eu posso falar? Espera! Escuta! Não! Não!

                                                              
                                                               *  *  *