26 de out de 2013

[Poesia] W. B. YEATS – Oh não Ameis por Longo Tempo





– PEDRO LUSO DE CARVALHO


WILLIAM BUTLER YEATS nasceu num subúrbio de Dublim, Sandymount, Irlanda, em 13 de junho de 1865. O poeta morreu a 29 de janeiro de 1939. Foi sepultado em Roquebrune (França). Nove anos depois, uma fragata levou seus restos para a Irlanda, onde repousam no cemitério de Drumcliff, de acordo com o expresso desejo do poeta.

 O'Leary escreveu na Introdução do livro Poemas de W. B. Yeats:

Em 1886, dizia John que um dos muitos infortúnios da Irlanda era o de nunca ter produzido um grande poeta. E confiava em que Deus houvesse reservado para os irlandeses tal dádiva. A essa altura, já vinha ensaiando versos faziam poucos anos, William Butler Yeats, o qual tinha então 21 anos, e começava a escrever poesia aos dezessete.

Em janeiro de 1924 Yeats viajou para Estocolmo a fim de receber o Prêmio Nobel, que lhe fora conferido pela Academia Sueca.


            Segue o poema Oh não ameis por longo tempo, de W. B. Yeats, que integra o seu livro poemas (In Poemas de W. B. Yeats. Tradução de Péricles Eugênio da Silva Ramos. São Paulo: Art Editora, 1987, p. 63):



OH NÃO AMEIS POR LONGO TEMPO
                  
                    ( W. B. Yeats)




Bem-amada, não ames muito tempo:
Por longo tempo dei o coração,
E vim a me tornar fora de moda
        Como velha canção.


Pelos anos de nossa mocidade
Nenhum de nós podia separar
        Seu pensamento do do outro,
Pois eles só sabiam concordar.


Mas oh! Num só minuto ela mudou:
 Não deis por longo tempo o coração,
        Ou ficareis fora de moda
             Como velha canção.




*  *  *