10 de set de 2017

(Poesia) PEDRO LUSO – A Noite




     A NOITE
       – PEDRO LUSO DE CARVALHO


A janela do quarto,
na semiobscuridade,
bate repetidamente.
É o vento
trazendo lembranças
e fantasmas
das lonjuras do tempo.
Vento forte
quebrando a solidão
do bronze das estátuas,
esquecidas
nas praças desertas.
A cidade dorme
com suas feridas expostas.



*   *   *